Google+ minha casa, meu mundo: Filhos e as Oportunidades Perdidas.

25 de agosto de 2011

Filhos e as Oportunidades Perdidas.

Como é triste ver um filho se negar a estudar. Tristeza infinita.
Não é triste apenas porque não cumpre seu único dever na vida, mas porque a falta de ou a má formação escolar determina o fracasso de uma pessoa no mundo competitivo em que vivemos. Se não faz um excelente segundo grau jamais conseguirá vaga em uma boa universidade; sem uma boa faculdade não conseguirá um bom emprego... e então é toda a vida futura que está comprometida.
A Tóia caminha a passos largos para a segunda reprovação. E não há conversa, psicólogos, castigos, brigas suficientes para mostrar que está jogando sua vida fora. Além dos castigos normais, como não sair e não ganhar presentes, o ano passado ela não fez a viagem de 15 anos com a qual sonhou a vida toda. As amigas foram, ela não. Este ano resolvi que levaria as crianças para os EUA no próximo janeiro, desde que passem de ano... Adiantou a promessa de uma grande viagem? Não.
Eu fico triste em vê-la em casa, sem aproveitar as coisas normais de adolescente, sem ir em festas, shows... mas se ela não cumpre a única obrigação que tem na vida, como poderia receber algum prêmio? Porque para mim, é preciso merecer a diversão, o presente. Não nascemos com direito aos bônus, precisamos merecê-los, conquistá-los. A vida é assim, porque deveríamos ser diferentes na educação dos filhos?
Mas nada a move, nada a faz acreditar que a vida dela depende do seu estudo.
Infelizmente, hoje não podemos mais ter aquela visão romântica de que a pessoa inteligente e com talento achará seu caminho. Hoje, mesmo para você ter uma profissão que dependa apenas da sua criatividade, é preciso ter educação formal sólida, caso contrário não tem emprego.
Eu me preocupo e muito, porque não vou viver para sempre, porque não posso lhe dar um emprego (sou funcionária pública), porque não ganho o suficiente para abrir um negócio para ela ou ajudá-la o resto da vida. Então, o futuro dela só depende daquilo que ela fizer hoje!
Eu converso, converso, converso... mas nada a faz compreender a realidade em que vivemos.
Acho que muito disso vem da cultura brasileira do menor esforço. Nosso sistema de ensino (mesmo particular) é um fracasso, os valores da nossa sociedade são podres, é um vale tudo onde vence o mais esperto...
Mas o mundo mudou e parece que ainda não enxergamos isso. Então quando as grandes multinacionais trazem de fora os seus funcionários mais gabaritados, os brasileiros ficam ofendidos... mas como contratar em um país com tão precária formação? Precisamos acordar para a realidade e ver que europeus e asiáticos, por tradição e cultura, estudam muito mais do que nós e ocuparão nossos lugares. O mundo não tem fronteiras e tanto faz, para a empresa, contratar um indiano, japonês, espanhol ou brasileiro, leva o melhor preparado. E este definitivamente não somos nós.
Mas há algo de bom em nosso país, o acesso das classes menos favorecidas à educação, que é um fenômeno recente, começou no governo do FHC e se consolidou com o Lula. O fato é que estes jovens já perceberam que o estudo pode mudar a realidade e estão estudando muito... e ocupando cada vez mais o espaço que antes era privilégio de uma casta. Até um tempo atrás, o filhinho de papai teria emprego garantido (com bom salário) na empresa do pai ou do tio. Hoje o pai vai contratar um profissional competente, porque não há lugar para amadores. Até pouco tempo atrás, o filho vadio poderia se encostar no serviço público, hoje precisa passar por concurso com 2000 candidatos por vaga...
Eu sou uma entusiasta da meritocracia, acho maravilhoso ver a mobilidade social que o estudo causa.
O filho do porteiro e da faxineira pode mudar sua vida, e de sua família, se realmente estudar e se dedicar. No segundo grau ele já tem um emprego. Na faculdade (ainda que seja mediana) ele já encontrou um trabalho melhor do que os outros, porque tem experiência de vida, é responsável, dedicado, sabe como funciona o mundo. Ele continuará estudando, se dedicando, fará uma pós, um curso, ganhará uma bolsa. E assim, por seus MÉRITOS vai pouco a pouco garantindo seu espaço e salários melhores. Aos 25 irá ocupar o emprego que antes era exclusividade dos privilegiados. E estes? Ficarão olhando em volta sem saber o que aconteceu de errado...
E os filhos da classe média alta? Vão da escola para o cursinho de inglês... acreditam que terão o mesmo padrão de vida dos seus pais por direito, por herança... ledo engano, serão passados para trás por aqueles que descobriram cedo que não dá para ficar de bobeira no shopping.
É assim em todos os lugares do mundo e não há como mudar esta realidade, melhor se preparar para ela.
Por isso, minha tristeza imensa com minha filha, que tem todas as chances de ter sucesso e as desperdiça. Poderia ser qualquer coisa que quisesse na vida, qualquer coisa, porque é inteligente e capaz. Mas nada a faz sair da inércia em que vive. Nada. 
Sei do que estou falando, porque sou fruto da mobilidade social. Eu sou filha da classe média baixa, meus pais fizeram um esforço imenso para que pudesse estudar em escolas particulares. Eu aproveitei, passei na UFPR... dois anos depois prestei novo vestibular, passei na PUC, com dificuldade meus pais pagaram as mensalidades. Sempre fui CDF, sempre fui boa aluna. Sempre dei valor às chances que tive. Me formei e três anos depois (com uma filha pequena) já tinha passado no concurso público e era juíza de direito.
Sei que tudo é possível para quem se dedica com seriedade e responsabildiade aos estudos. Tudo é possível.

Gostaria que minha filha percebesse que poderia ganhar o mundo com seu esforço, aproveitando cada oprotunidade... ela poderia ser o que quisesse, qualquer coisa, em qualquer lugar... mas não consegui mostrar isso a ela...  e este é o meu fracasso, minha tristeza.
Uma tristeza profunda.

Vamos desabafar minha gente! Adoro ler os comentários e a história de cada uma de vocês! É tão bacana... e esta conversa ainda não terminou, bora falar!

70 comentários:

  1. Ha minha linda,mas que pena,qualquer mãe/pai ficaria arrasado,claro que é super importante que ela estudasse,mas se algo esta comprometendo esta fase importantissima da vida dela,mude um pouco o foco,pois adolescente parece brincadeira...emburram e pronto,ninguém consegue mais.E tem outra coisa,algo deve ter desanimado ela desta forma.Bom o que foi ou não foi não adianta mais,então vou te sugerir um Segundo plano....
    Veja do que ela realmente gosta,se interessa,que possa ser transformado em ação,tipo moda,costura,maquiagem....minha amiga Sandra teve o mesmo problema com o filho,emperrou e pronto,mas ele adorava motos,ela então o colocou num curso de mecânica,ele se empenhou por ser do seu interesse,é pelo visto esta indo super bem,Na verdade ele não aguentou o curso em si,mas entrou em uma oficina e aprendeu e quer aprender mais e mais.Não´era NUNCA o que ela queria para ele,mas foi um jeito de driblar a falta que o estudo vai fazer,futuramente ele vai montar uma oficina de motos e se espera que cresça como empresário....ele esta preechendo o tempo vazio,um perigo para um garoto de 17 anos.
    Acho que agora o que se pode fazer e isso...direciona-la para algo que se possa satisfaze-la,ocupa-la e quem sabe sem que ela mesma perceba,estara se profissionalizando.
    Beijinhos
    Deusa
    vasinhos coloridos

    ResponderExcluir
  2. Oi Lu, eu concordo com a Deusa. Sinto muito pela filhota, mas sinto ainda mais por você. Imagino o quanto essa situação deve entristecer uma mãe.

    Enfim, boa sorte aí!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Oi Lu. é realmente uma tristeza para uma mãe ver o dessinteresse dos filhos pelo estudo, pela vida...
    Infelizmente nesta idade eles parecem não ter noção do que é a vida real, e ás vezes quando vão acordar é um pouco tarde.
    Espero que essa fase passe logo e que ela olhe pra você e queira ir além...
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  4. Oi, Lu
    Li seu desabafo e sei exatamente do que vc fala. Tenho 2 filhos inteligentes, mas um deles simplesmente não aproveita a sua inteligência. Tira notas baixas, não faz trabalhos que valem nota. Ontem mesmo até chorei, pois também sempre fui CDF, sempre procurei dar o melhor de mim mesma. Mas acho que não errei, não, pois vejo que o outro, mais jovem 2 anos é o aluno dos sonhos. Inteligente, dedicado, preocupado. Eu também me preocupo com o futuro, mas rezo a Deus para que ele enxergue antes que seja tarde.
    Bjus, querida

    ResponderExcluir
  5. olá, tenho 24 anos, sempre gostei de estudar, porém, fui criada pelo meu pai, e ele nunca me incentivou a continuar os estudos, pelo contário, só falava que os filhos tinham que trabalhar. Eu consegui terminar o segundo grau, mais meus irmãos não terminaram nem o ensino fundamental. trabalho desde os 15 anos, e quando leio algo desse tipo fico muito triste e decepcionada com os jovens dessa geração. Bom, fica o desabafo de uma jovem que só queria mais apoio dos pais na infância... abraços!!!

    ResponderExcluir
  6. @Deusa
    acho que ela vai acabar fazendo algum curso técnico, sei lá...

    ResponderExcluir
  7. Oi Lu,
    Sei perfeitamente como se sente, pois passei ou melhor estou passando com meu filho mais velho o Marcos Paulo de 18 anos, tenho mais dois filhos o Matheus com 16 anos e a Isabella com treze , faz quatorze mes que vem, as vezes fico me perguntando onde foi que eu errei, e não encontro a resposta, somos uma familia unida,eu e meu marido sempre nos dedicamos na educação e criação deles, deixei de trabalhar por quatorze anos para poder ficar perto deles, não queria que mais tarde eles me culpassem por ser uma mãe ausente. Ele e o Matheus fazem jiu-jitsu, há oito anos, e sempre foi a paixão dele,
    esse ano muitas portas se abriram para os dois, inclusive este mês um dos seus patrocinadores lhe ofereceu uma bolsa integral para fazer um cursinho pré vestibular, um curso que eu não teria condições de pagar, ele até foi para o cursinho e ele me disse quando chegou em casa que não sabia mais fazer nem matérias básicas,então eu falei pra ele que agora ele ia sentir a falta que o estudo lhe ia fazer, resultado de um segundo grau feito de qualquer maneira, e isso porque ainda por ultima opção, esse segundo grau eu paguei particular, pois ele não queria mais frequentar a escola pública já tinha sido expulso de duas escolas por não querer estudar, e ainda prejudicava quem queria com suas bagunças.
    Amiga eu e o pai demos a mesma educação para os tres filhos, e não tenho nenhum problema com os outros dois, então fico com minha conciencia tranquila, porque sempre conversei com ele a respeito dos estudos, de como seria importante estudar para ter um bom futuro, e hoje ele está vendo que tudo aquilo que eu falei está acontecendo.
    Cheguei a um ponto que eu já não sabia mais o que fazer e lhe disse que se eu mãe dele que quero o seu melhor não consegui, infelismente a vida iria lhe ensinar, e a vida não é como mãe, a vida é cruel, mas as vezes precisamos cair para sabermos nos levantar. As oportunidades estão aparecendo e ele não tem condições para aproveitar.
    Conversando com um psicólogo, ele me disse que eu tinha que ver o que ele gostava de fazer e incentiva-lo, então é o que eu e meu marido temos feito com o o jiu-jitsu, pois é o que ele sabe fazer de melhor, e espero em Deus que ele consiga se sobre sair no que ele gosta de fazer, e quem sabe mais tarde ele veja que precisa voltar a estudar, até mesmo porque no que ele decidiu fazer ele tem que fazer uma faculdade de educação física, de repente é aí que ele vai voltar a estudar.
    Amiga desculpe-me pelo desabafo, mas queria compartilhar com você e mostrar-lhe que isso não acontece só com você, infelizmente.
    Um grande beijo em seu coração, e que Deus nos abençoe!

    ResponderExcluir
  8. Estou AMANDO TODOS OS DESABAFOS!
    Vamos desabafar minha gente, porque quero continuar esta conversa!

    ResponderExcluir
  9. Oi,
    Lendo o seu desabafo fico triste por saber que tem jovens que não aproveitam o que a vida lhe dá. TEnho um sobrinho que é exatamente como sua filha, não aproveita os bons colégios que seus pais podem pagar e já reprovou várias vezes. Fico com pena da minha irmã, pois isso a preocupa demais. E por mais que vcs mães insistam e tentem mostrar a importância que o estudo tem parecem que esses jovens não assimilam.
    Espero que essa fase passe logo!
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
  10. Oi Lu!!!

    Fica calma...
    Quando eu era adolescente (aborrecente)rsrsrs,
    também agia assim...
    repeti 1x e pra mim foi bom...sofri, mas adquiri maturidade, e pude fazer um 3ºano melhor!
    As vezes não estamos preparadas para encarar o desafio agora, mas com a maturidade, podemos fazer melhores escolhas.
    Se ela se tivesse uma atividade que gostasse, de repete, a incentivaria (no meu caso o esporte)!
    É uma faze muito sofrida pra para eles pq estão na fase das dúvidas e nem entendem pelo que estão passando, conflitos, amores, amizades!
    Quem sabe se ela fizer um curso extra que goste, ou no fim do ano, trabalhar no natal em alguma loja (sentir o gosto do que é ganhar seu dinheiro com esforço...)
    Sei pelo que passa... já fui adolescente e senti na pele isso!
    Na escola era aluna mediana, mas na faculdade, quando fazia o que gostava, era uma das melhores alunas de Publicidade!
    Hj tenho 35 anos e consigo ver como foi difícil para os meus pais... mas acredite... isso passa!
    Depois começamos a nos colocar no lugar de nossos pais e reconhecemos como nós eramos difíceis ou até mesmo intolerantes, e nos arrependemos disso!

    Bjs Dani

    ResponderExcluir
  11. Oi Lu, bom dia.
    Lendo teu post, relembrei de quantas vezes quis mudar os pensamentos e decisões de meus filhos.
    Queria que fizessem escolhas, seguissem caminhos e na realidade descobri, que eram caminhos que eu escolhi.
    Meu filho mais velho, escreve muito bem, imaginava ele em uma redação de jornal, fazendo traduções, escrevendo para uma editora...Ele fez sua escolha: é feliz sendo professor.
    O segundo filho largou a Universidade Federal, porque não gostava do curso.Como assim? eu que paguei escolas particulares para entrar em uma pública e agora ele larga, sem mais nem menos.
    Quer trabalhar na cozinha.Disse que vai lavar pratos, mas quer fazer o que gosta.
    Lu, esta filha maravilhosa que você tem, fará uma excelente escolha, pode ter certeza.
    Você ensinou valores, que ela levará consigo sempre.Isso que é mais importante.
    O Universo cuidará de tudo, respire fundo.
    A formação que damos a nossos filhos, com tanta preocupação e responsabilidade, será o alicerce para suas escolhas.
    E independente de fazerem escolhas diferentes das que gostaríamos, o importante que sejam cidadãos do bem e sejam felizes.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  12. Bom dia! Eu sou professora. Lido diariamente com isso. Às vezes, é falta de auto-estima. Procure elogiar mais sua filha e não apenas criticá-la. Cada vez que ela fizer qualquer coisa que ela mereça um elogio, faça-o. Nunca a critique em público, mas os elogios devem ser em público de preferência. Cative-a. Se o que você tem feito não está dando certo, muda a estratégia. Eu recomendo "Pais brilhantes, Professores fascinantes", de Augusto Cury para você ler. Minha querida, qualquer coisa, estou à disposição. Lembre-se também de ORAR por ela. Colocá-la na presença do Senhor. Ele pode transformar esta situação.Um super beijo.

    ResponderExcluir
  13. Olha a sua sinceridade me cativa desde o inicio.

    Eu te entendo perfeitamente, tambem já passei por isso aqui. minha filha mais velha foi reprovada algumas vezes mesmo com todo o meu esforço em manter as 3 em escolas particulares. Sem a menor maturidade ou planos concretos para o futuro.

    No ultimo ano, quando foi reprovada novamente no segundo ano do ensino medio, fui radical, avisei que só estudaria novamente em colegio particular se trabalhasse para pagar. Me recusei a pagar outra mensalidade cara pra ser jogada no lixo, prefiro doar esse dinheiro a uma instituição do que desperdiçar com a minha filha.

    Ela ate tentou buscar emprego, mas a preguiça e malandragem falaram mais alto e ela resolveu morar com o pai, e lá goza de todas as regalias possiveis. Como ela já fez 18 anos e resolvi deixar que ela guie a vida dela.
    Acredito profundamente que a unica coisa que nos faz crescer é o sofrimento. Voce dá valor porque sentia a dificuldade e talvez a sua filha nao sinta a mesma dificuldade, ja que agora a sua vida tem um estabilidade maior por ser funcionaria publica.

    Passei por todos os tipos de castigo que voce citou e nada funcionava com a minha filha.

    Quando começou a ter que pegar onibus, ficar em engarrafamento, passar por entrevistas de emprego onde tinha que explicar que com 18 anos nao havia concluido o ensino medio ainda, a ficha caiu.

    Diz ela que esse semestre voltou a estudar seriamente e que no ano que vem vai pra faculdade porque nao aguenta mais ver todos os amigos encontrando estagios, com profissoes definidas e ela ainda no ensino medio.
    Eu só acredito quando receber o convite de formatura. Nao volto atras da minha decisão, nao pago mas o estudo dela. Foram quatro repetencias por sacanagem, sem o menor motivo. Inteligente, esperta, comunicativa, poderia, e sempre falei isso, ser o que quisesse na vida.

    Mas parece que hoje eles só querem ser consumidores e espectadores do mundo. E nós que queriamos mudar o mundo nao nos conformamos com isso.
    E eu me recuso a me conformar.

    As outras filhas estudam muito, muito mesmo, e dá gosto ajudar e facilitar de todas as formas.

    Mas aprendi que os filhos nao sao iguais e que logicamente nao aprendem da mesma forma, uns precisam sentir na pele as dificuldades e outros aprendem só olhando a roubada que os primeiros se meteram.

    Nao aceite que sua filha seja mediocre, nunca aceite menos se ela pode ser melhor. A ficha vai cair.

    ResponderExcluir
  14. Talvez esteja no momento de cobrar menos e valorizar mais. Sua filha certamente tem seus atributos. Tente estimular o que ela tem de bom. Talvez seja isso o que ela precise. Meu menino do meio acabou de passar no vestibular, sempre foi um aluno mediano e com baixa 'auto estima', procurávamos sempre colocá-lo para cima e isso fez toda a diferença, o fortaleceu. Não se trata de passar a mão na cabeça e sim tentar entender o que se passa na cabeça dela. Talvez até você já tenha feito isso...esse é um dos fardos da maternidade: paciência. Beijocas!

    ResponderExcluir
  15. Oi,
    Olha,lá em casa,de cinco filhos as três mulheres fizeram curso superior e os dois homens,ficaram no "técnico".Os cinco tem emprego.O caçula é militar,bombeiro,dedica-se extraordinariamente mas,remuneração,já viu,né?Mas todos somos curiosos,interessados em coisas diversas,além do trabalho.Talvez falte à sua menina descobrir por onde canalizar seus talentos.Tem um livro do Howard Gardner,sobre as diversas inteligências,que fala em como perceber nossas diversidades - se não me engano,Inteligência Emocional.e,em qualquer caso,terapia e acompanhamento.Todos temos encrencas inexplicáveis aos olhos alheios.Tomara que tudo se encaminhe bem,
    bjs,
    Eliana

    ResponderExcluir
  16. Poxa que situação difícil! Não tenho filhos, mas sou filha e posso imaginar a sua decepção.
    Infelizmente quando somos jovens não enxergamos essa necessidade, não entendemos a preocupação dos nossos pais, enfim somos imaturos.
    Só o tempo e o amadurecimento nos faz entender tudo isso e dar um valor imenso aos nossos pais.
    Eu tive meus deslizes mas Graças a Deus e aperseverança dos meus pais as coisas foram entrando nos eixos e hoje eu posso dizer que sou alguém.
    Se tivéssemos todo esse conhecimento, talvez pudéssemos chegar ainda mais longe, mas nem tudo acontece dessa forma.
    Não tenho conselhos pra te dar, afinal não tenho filhos. O que posso dizer é pra continuar a ser perseverante, não abondone sua filha, um dia, mesmo que um pouco tarde ela vai perceber o que deixou pra trás, o que deixou de fazer e onde poderia ter chegado. Você tem toda razão quando diz que ela poderia ter o mundo! Realmente ela poderia, mas não tem noção disso. Então você vai ter que esperar o tempo dela, pra ela enxergar e tirar suas próprias conlusões e até ter um pouco de arrependimento. Sei que nenhuma mãe quer ver o sofrimento do filho, mas ele faz crescer, e muito! Chega até ser necessário.
    Te desejo boa sorte, força e perseverança.
    Um beijo,
    Lets

    ResponderExcluir
  17. Lu, em partes, a culpa tbm pode estar no sistema educacional brasileiro... Aqui o profissional da educação não tem seu trabalho valorizado, não recebe estimulos... e isso acaba caíndo numa inércia terrivel em que é mais fácil entrar em sala de aula e repetir a matéria para uns e outros do que inovar e estimular todos os alunos. As disciplinas são depositadas como conteúdo sem a necessidade de esclarecer ao aluno a importância dela enquanto conhecimento. Poxa! conhecimento é diferente de conteúdo!!!Se vc não sabe pra que serve, pq então aprender?
    Infelizmente o problema que vc está passando não é só seu... é o reflexo de um sistema educacional estagnado. Acredito na possibilidade do desenvolvimento de recursos e métodos didáticos que envolvem e estimulam os alunos, mas para isso é preciso recurso, investimento em capacitação, valorização dos profissionais. Mas infelizmente a nossa cultura entende a importancia dos filhos estudarem, mas não querem que seus filhos se tornem professores... se ser professor não é uma boa profissão como pode esse ser um bom profissional? E isso gera um ciclo vicioso de falta de estimulo e valorização do professor e dos estudos...

    ResponderExcluir
  18. Ahei bem proveitosa a ideia da Deusa!
    Veja algum curso técnico q ela deseja de coraão fazer e se dedicar. Mas acho q nao devemos deixar 'correr frouxo'. Devemos estar sempre atentos,cobrando.Sei bem q isso enche a paciÇencia,mas este é o trabalho de uma mãe certo??Sou mãe de uma moçade 19 anos e um 'rapaz' de 6 aninhos! ;)

    saúde e paz

    ResponderExcluir
  19. Olá amiga!

    Sou mãe de dois meninos, um com treze anos e outro ainda com quatro. E essa é a minha maior preocupação com meus filhos. Estudar e estudar, mais nem sempre á como nós desejamos. O de treze é muito desinteressado e o outro muito disperso. Fico muito preocupada mas tenho tentado fazer minha parte. No mais deixo claro que colhemos o que plantamos. Concordo plenamente com você.
    Boa sorte para todas nós!

    ResponderExcluir
  20. Lu, entendo sua tristeza com todo meu coração e com toda a minha razão. Não sou mãe mas tenho apenas 2 sobrinhos gemeos que são assim. E essa é, com certeza, a maior tristeza da minha vida. Não consigo entender essa falta de sonhos, de objetivos. Essa falta de paixão em gente tão jovem me deixa destruída.

    ResponderExcluir
  21. Luciane, tive o mesmo comportamento aos 14 anos e disse a minha mãe que não iria mais à escola, ela já tinha me matriculado e tentou todos os argumentos possíveis, ela chorava e se culpava, isso me deixava muito mal, mas era pior e eu me achava uma "porcaria" o tempo inteiro pois não conseguia ser igual aos meus irmãos e outras crianças que estudavam direitinho! Lá no fundo eu só conseguia me odiar e passei a quase não comer nada e ficava deitada o tempo todo.
    Não tinha nada de errado, não achava minha mãe ruim, pelo contrário, ela trabalhava duro pra sustentar 4 filhos e eu sabia o seu valor!
    Me arrependo muito, todos sofreram, mas sei hoje que a escola não me atraía, embora gostasse muito de ler, e estava sempre lendo mesmo que fossem os livros do colégio, eu não conseguia ficar alí sentada, parada só olhando e ouvindo, fiz muitas peças de teatro pra apresentar os trabalhos pedidos, transformava tudo em peça, escrevia, atuava, dirigia o grupo e SEMPRE tirei a melhor nota! Só não conseguia ficar de expectadora...
    Parei de estudar com 14 e ao final dos quinze arrumei um emprego, aos 16 comecei um supletivo por "força" de minha mãe, 17 parei de novo, voltei e por fim o trabalho era mais "importante" naquela época, não conseguia chegar nunca na hora e eu não voltei mais! Afinal eu conseguia ajudar em casa e comprar o que queria não é?!
    e nada me fazia enxergar o futuro...
    Talvez se ela encontrar algo que goste, vc possa fazer um acordo...olhe pra ela e tente ver no que ela é boa, incentive e não critique, procurem juntas, como amigas mas deixe claro que vc é a mãe, não compre o progresso com prêmios(se nós ainda não temos é por que podemos viver sem), a não ser que seja idéia dela o acordo e lembre que é mais fácil sentir falta do que se perde quando já se tem!
    E nunca deixe que ela se sinta uma fracassada ou incapaz, ela é só uma menina...
    Não tenho a fórmula mágica, não sei se teria dado certo comigo...talvez, mas nunca é demais quando se trata de quem amamos!
    Hoje tenho uma filhinha, e espero que ela goste mais de estudar do que eu, e que não seja tão difícil pra ela quanto foi pra mim!
    Te desejo tudo de bom, espero poder ajudar. Bjks!

    ResponderExcluir
  22. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  23. Oie!!!!

    Puxa vida, fico triste lendo seu post pois sua filha tem td pra ter um futuro brilhante e deixa escapar assim tão fácil, mas acho que vale a pena tentar analisar de uma outra forma, como a Deusa comentou, ver realmente o que ela gosta e investir nisso...

    Estabelecer certos limites e negociar regalias tb é uma ótima forma de mantê-la interessada...
    Tente conversar, descobrir realmente o pq dela está agindo assim, o que realmente aconteceu pra ela perder o interesse pelos estudos... mostre a ela q vc além de mãe é sua amiga (acho que vc é uma boa mãe não me interprete mal).

    Tento ser assim com meus filhos, apesar da pouca idade deles um de 11 e a outra de 9. Mostro a eles que é importante estudar pra ser alguém na vida amanhã...

    Infelizmente tive e ainda tenho um pouco de problemas de relacionamento com minha mãe... hj conversamos o básico. Isso é uma coisa que me machuca muito, talvez a criação ou o sofrimento dela fez ela ser assim dura com suas palavras, por isso tento ser diferente com meus filhos...

    O meu maior medo é que nesse mundo que vivemos HJ as coisas ruins como drogas, bebidas, más companhias tá muito fácil, qq um tem acesso, e isso não escolhe cor ou posição social...

    Temos que dar carinho e muita atenção para os nosso filhos pois não sabemos o que pode acontecer com eles amanhã...

    Beijos e fique com Deus, estarei torcendo por vcs!!!!

    ResponderExcluir
  24. Oi Lu, olha eu entendo perfeitamente, sou jovem e não sou mãe, mas passamos por isso com minha irmã caçula, sou de família pobre, eu trabalhei pra pagar meus estudos, assim como meus irmãos, e ela por ser a caçula foi ajudada por todos nós, pagávamos tudo pra ela, escola particular, cursinhos, tudo... ela não aproveitava nada, só repetia de ano ou desistia, mentia, faltava, conversávamos muito com ela mas nada adiantava, tentamos psicólogos e tudo o que tu possa imaginar.
    Muitas vezes eu chorei, e chorei na frente dela, chorei de desapontamento e decepção, como ela podia jogar tantas oportunidades fora, onde ela pensava que ia chegar, o que ia ser na vida?!
    Bem pra resumir, o tempo foi passando e ela ficando pra trás, a trancos e barrancos terminou o ensino médio, trabalhou como babá, e hoje trabalha como recepcionista na empresa que eu trabalho, acabou de se inscrever num curso técnico de moda no Senai, eu estou dando o maior apoio, incentivando ao máximo, pq acho que ela está se encontrando, é algo de que gosta muito, da pra ver nos olhos dela, nada ainda está 100%, ela fala mais do que faz sabe, faz planos e planos, mas pouco corre atrás, mas só de ver ela fazendo planos já fico feliz, eu vou ajudar financeiramente, nem comentei com a família pra não ser criticada, mas eu tenho medo de que se eu não ajudar ela acabe não saindo do lugar!
    Então Lu, minha dica é, a tua filha vai se encontrar no tempo certo, nada que tu faças, vai adiantar, vai doer muito ver ela pra trás, mas ela vai ter que passar por todas as dificuldades para aprender. E nunca largue ela de mão, pq se estando perto, junto e cuidando já é difícil, imagina abandonar... bjs e seja FORTE!!!! (ah só mais uma coisa, ela começou a dar trabalho aos 13 anos e hoje está com 22)

    ResponderExcluir
  25. Ah Lu... eu não fui reprovada nenhum ano na escola, era mediana, não amava estudar, nunca amei, mas sempre fui responsável com tudo que tinha que fazer. Mas fui mãe com 17 anos, tudo mudou, tive que ficar por conta da casa, do meu irmão caçula e da minha filha. Depois de dois anos fui para o mercado de trabalho, recepcionista, ganhava um salário mínimo e surpreendentemente aprendi demais e foi o emprego que me deu mais satisfação, me sentia importante, todos dependiam de mim e eu conseguia fazer tudo de uma grande empresa e inclusive cuidar da agenda particular dos donos e da parte financeira dos cheques devolvidos. Saí para trabalhar na loja da minha mãe e apesar de eu gostar de tudo lá, não gostava de ser vendedora-gerente-office girl. Me casei aos 25 anos, fui ter o próprio negócio com marido e NUNCA trabalhei tanto, TODOS os sábados o dia inteiro, domingos e feriados na parte da manhã e o resto da semana, SEM férias, SEM direito a viajar, SEM direito de curtir Natal e outras datas comemorativas. Cansamos, ficamos exaustos, vendemos a loja(e marido não me deu nada de dinheiro a que eu tinha direito) e fui fazer faculdade, parei de trabalhar ano passado para me dedicar ao estágio de Serviço Social. Estou terminando o curso, sem grana, sem sair, sem comprar uma roupinha ou um calçado, mas estou confiante que logo conseguirei um emprego(espero que seja na minha área).
    Agora ouço que fiz uma péssima escolha porque Serviço Social não dá dinheiro, não vai me proporcionar uma vida confortável como eu gostaria, não sei, espero que não, mas sei que agora poderei cobrar isso de minha filha, que ela estude, que se forme.
    A minha filha Mariane, agora com 13 anos, ao contrário de mim e do pai biológico(que nunca foi pai) é uma ótima aluna, uma das melhores de sua classe, pensa alto, super hiper ultra responsável com essa parte escolar, já participa de algumas reuniões de discussões sobre assuntos sérios da sociedade é muito feliz em suas colocações e ponto de vista e sempre ouço elogios por ter uma filha tão esperta. Já sabe administrar suas pequenas quantias de dinheiro que ganha ora do tio, ora do avô, ora do avô-padrasto de jeito que consegue passear no shopping todos os finais de semana e eu me orgulho muito disso. Ela quer fazer Direito, trabalhar na OAB ou ser delegada da Polícia Federal e acredito muito que ela chega lá.
    Agora sabe, acho que o fato da sua filha estar assim não é sua culpa, talvez nem culpa dela, é sua natureza e que pode ser mudada. Talvez demore um tempo mais para que ela se encontre, ache seu caminho e se apaixone por alguma coisa que lhe dê prazer. Tudo ao seu tempo. Eu nunca imaginava que minha filha fosse do jeito que é, bem mais forte do que eu, decidida do jeito que não sou e melhor, com um coração enorme apesar de ser super geniosa.
    Cada um com sua personalidade, somos todos diferentes. Não desista de sua filha, faça essa viagem, aproveite esses momentos, a vida é tão curta, não sabemos o dia de amanhã e inclusive nossos filhos podem ir antes de nós e é melhor amar demais, aproveitar demais do que depois arrepender e não dar tempo de consertar.
    Não sou perfeita, me desculpe se falei alguma coisa que não te agradou, falo com o coração de mãe que sou, mais sentimento do que razão e por isso mesmo posso ser a mais errada, mas juro, tentando acertar.
    Beijos

    ResponderExcluir
  26. Olà Luciane, li seu post e me vi na figura de sua filha...tive muitos problemas na minha adolescencia por achar( hoje sei os motivos de meus pais)que minha mae e meu pai nao estavam nem aì pra mim, que nao me amavam e que muito provavelmente eu tinha sido deixada dentro de um cestinho na porta deles, foi um dos periodos mais dificeis pra mim, minha cabeça fervilhava de pensamentos dos mais diversos, brigava com todo mundo, repeti a 7a serie por birra, porque adorava ler e aprender sobre tudo.Apesar de todos os apelos de minhas tias, que me prometeram um tanto de coisas...e um dia , quando uma cunhada minha quis me levar pra morar com ela e meu irmao, falei isso pra mae e ela sò me disse uma coisa, que era tudo que eu sempre quis ouvir..."vc tem mae e pai"...nao esboçei nenhuma emoçao, mas por dentro parecia que ia explodir de tanta alegria, finalmente com aquelas poucas palavras, minha mae me mostrou que me queria junto dela...Um grande abraço e que vcs duas se entendam. Fica com Deus!

    ResponderExcluir
  27. Eu tenho 20 anos e, modéstia a parte, sou muito estudiosa. Tirar menos de 80% sempre foi uma coisa ruim e inaceitável. Eu não puxei ninguém. Nenhum dos meus pais quis estudar e fazer faculdade, pararam no ensino médio. Isso tem que partir da pessoa, sabe?

    Espere um pouco, sua filha vai crescer e talvez ela perceba isso a tempo. Caso contrário, há empregos que não exigem estudo e que podem até pagar bem, como ser vendedora, etc.

    ResponderExcluir
  28. Lu, no face sobre post, putz como concordo com você!
    João ainda é pequeno, mas já me pego tenho pesadelo diante da possibilidade de ele não querer/gostar de estudar. Gostar acho que ninguém gosta muito, mas o cara tem que enfiar na cabeça dele que é aquilo ou nada.
    Ele tem amiguinhos que estudam na escola pública por pura falta de condição dos pais (hj em dia, aqui em SP, escola pública é impensável. Eu estudei em escola pública top e no meu tempo não era assim) e ele as vezes fala que também queria estudar lá. Fico malzona, dividida, porq naõ posso detonar (ele é pequeno e conta pro amigo) mas procuro mostrar a ele q ele tem a faca, o queijo, a vaca, o leite, tudo na mão, que isso é o máximo que podemos oferecer, ele não terá herança, vivemos o nosso dia a dia e só terá de nós o que estamos proporcionando hoje.
    Enfim, espero que tudo se resolva por aí, que vc encontre um jeito de lidar com isso.
    Bjão

    ResponderExcluir
  29. Lu, quero repartir com você a minha angústia nesse sentido. Filhos sempre nos desafiam. Aliás, eles vieram para isso.Quem acha que ser mãe ou pai (ou os dois juntos, como é cada vez mais comum hoje) seria fácil, está iludido. Cada filho é uma missão única e, na maioria das vezes, quase impossível. Por isso, ser mãe ou pai é ser missionário no sentido mais amplo da palavra, porque não somos Deus, mas apenas filhos Dele, embora tenhamos outorga para fazer verdadeiros "milagres" quando colocamos amor e determinação em nossas palavras e atitudes.
    Educar é e sempre será muito mais que apenas encher uma criatura de mimos, alimento e lhe dar um teto e ensinar o caminho da escola. Você tem toda a razão em estar angusitada, mas ainda assim lhe digo que tem muita sorte por ser uma mãe preocupada e fiel à missão que lhe foi confiada. Fui professora por quase 15 anos e sei que cada dia mais as mães delegam à escola o papel que seria delas ou da família. Alegre-se e insista. Insista sempre. Não desista nunca de sua filha, porque o velho ditado "água mole em pedra dura..." funciona. As pedras, disfarçadas de birras e incompreensões dos filhos, estão aí pra nos fazer mais fortes e vitoriosos no final.
    Bj grande
    Lidiana Braziolli
    BH

    ResponderExcluir
  30. Oi Lu, embora não seja mãe, sei o que é viver com dificuldade. Perdi meu pai com 15 anos, nessa idade precisamos que alguém tenha pulso firme e nos direcione. Passei a estudar a noite e terminando o Ensino Médio parei de estudar para trabalhar.
    Depois de muito tempo no mesmo emprego, uma Instituição de Ensino Superior particular, tive ajuda da minha Coordenadora e fiz minha Faculdade de Pedagogia.
    Hoje, lamento muito o tempo que perdi. Talvez, se não tivesse parado o estudo, se tivesse feito logo uma Faculdade, se tivesse conseguido um emprego melhor,talvez, talvez, talvez...
    Nada é 100% certo nessa vida, talvez ela esteja passando por um momento, mas tendo o seu exemplo, a sua influência e incentivo, ela mude, ela é tão jovem... não desista... e também não se culpe,todos nós somos diferentes, únicos, mesmo expostos a mesma educação.
    Bejins e tudo de bom!

    ResponderExcluir
  31. Bom, vamos lá. Com o meu comentário do facebook eu já faço minha opinião valer menos (minhas teorias não funcionam com meus filhos e o mais velho tem apenas 3 anos; nem quero imaginar o que me espera quando tiver 13). Mas vou dar pitaco assim mesmo. Primeiro, não acho que você deve considerar que isso seja um fracasso seu. Sempre é bacana perceber o erro, porque quando admitimos que erramos, vamos atrás para tentar consertar. Mas a opção dela não é, necessariamente, um fracasso seu; pelo menos não assim, de forma tão direta. Acho que é um conjunto de fatores que não sei se alguém sabe explicar (se alguém souber explicar, gostaria de saber mais sobre isso!).
    Outra coisa que acho que é bem complicada é essa história de acesso ao estudo. Não concordo que os últimos presidentes tenham facilitado isso. Realmente qualquer um, hoje em dia, consegue fazer uma faculdade e, portanto, concorrer a uma boa vaga de emprego. Mas isso também não é bom. Dependendo da função que a pessoa exerce no mercado de trabalho, uma faculdade torna-se algo totalmente desnecessário. Hoje no Brasil, fazer faculdade virou obrigação, faculdades de quinta categoria fornecem diplomas a profissionais de também péssima qualidade e isso faz com que cada vez mais tenhamos desempregados com formação acadêmica. Ou seja, da mesma maneira que o cara dedicado tem chance; um outro tanto de dedicados não terá oportunidade. E é por isso que não concordo que as políticas educacionais estejam ajudando o país. Posso estar sendo pessimista, mas acho que ajudaram tanto quanto atrapalharam: a desigualdade é a mesma, mas o desempregado tem mais qualificação (o que não significa que tenha comida na mesa). As escolas públicas estão cada vez piores; as particulares não ficam muito atrás, porque a maioria só treina os alunos para passarem no vestibular.
    Agora, falando do seu caso: o que eu faria, no seu lugar, seria algum tipo de acordo com ela. Algo do tipo: ela deveria se esforçar para terminar o ensino médio e, se ela fizesse isso, você concordaria que ela ficasse um ano sem fazer faculdade para decidir o que quer da vida. Acho que o mais importante é garantir que ela termine o médio, porque faculdade, ainda que ela demore 1 ou 2 anos pra entrar, ela não vai perder tanto. O que eu faria no seu lugar seria isso, foco total no ensino médio. Se os castigos não estão funcionando, talvez tentar a tática do filme Mentes perigosas. Você dá um crédito pra ela e, se ela lhe trouxer melhores notas, ela vai só ganhar mais. Acho que o bacana é perceber como ela funciona. Meu marido, quando é criticado, se esforça muito (absurdamente) para esfregar uma vitória na cara da pessoa que o criticou. Eu, porém, sou o contrário, se alguém me critica, só me faz desistir mais fácil.
    Acho que falei demais, mas se quiser ouvir mais teorias sem prática, pode me chamar!! Beijos

    ResponderExcluir
  32. Olá Lu,

    Jà leio o seu blog há muito tempo. Assino o feed e tudo, mas nunca tinha comentado (vergonha). Senti um nó na garganta com seu desabafo. Explico: Sou irmã mais velha de 3 filhos. Minha mãe nos criou com muito sacrifício. Hoje sou jornalista e sempre gostei muito de estudar. Estudei em escolas públicas, fiz pré-vestibular comunitário (nem tinha dinheiro da passagem pra ir estudar, meus amigos que me ajudavam) e passei para uma boa universidade pública (onde passei muita fome por não ter dinheiro nem pro lanche e mal para a passagem de ônibus). Meu irmão do meio também se sacrificou bastante. Trabalhou e estudou, ganhou bolsa de 100% numa universidade e se formou também com muito sacrifício mesmo. Jà com meu irmão mais novo, as coisas foram um pouco diferentes. Como mais novo, tinha mais oportunidades. Nunca precisou trabalhar fora pra ajudar a botar comida em casa. Não chegou a repetir de ano, mas não queria "nada com nada". Matava aulas, mentia. O tempo foi passando e minha mãe, como você, sempre insistindo, brigando, mostrando e nada! Depois de um tempo, viu que foi ficando pra trás. Hoje já faz faculdade, muitos planos, mas ainda olhamos com desconfiança. Acho que quando fazemos algo com sacrifício, tendemos a valorizar. OS adolescentes acham que o mundo é aquilo que estão vivendo aqui e agora. A casa, os amigos, o colégio é todo o universo. Dificilmente pensam no futuro e na vida adulta. Me tocou também o seu post pq serei mãe em breve e desde já nos cobramos enormemente por tudo. Mas como minha mãe sempre me disse (e deu muito certo), mãe está aqui pra orientar. O filho segue o caminho e arca com as consequências.

    Te desejo muita fé e força na sua luta.

    Bjs,
    Vanessa

    ResponderExcluir
  33. Oi, Lu estava no blog da LY Mello vie o tema do seu post e vim te conhecer, sou mãe de 3 filhos todos homens o mais velho 14 anos e o ano passodo passei por maus bocados, ele foi reprovado suspenso e tudo o mais , um menino calmo que virou um monstrinho, mais ai eu disse a ele que eu so perderia ele pra Deus mais pro mundo não, direi ele da escola que ele estava a 5 anos coloquei em outro colegio em outra cidade,dei a ele uma nova chanse fiz um sacrificil enorme pois essa escola é bem cara mais tem um sistema de ensino que valoriza a pessoa como um todo não apenas pra o vestibular,e hoje vejo que fiz a coisa certa mesmo com todas as lagrimas, hoje eu vejo meu filho um menino alegre conversador, feliz e com planos pro futuro. Então veja se sua filha também não precisa nuda de escola de ares, tente e tente até os 18 anos somos nos os pais quem mandam, não entregue os pontos dissendo que a vida ensina a vida não ensina nada so distroi;Minha irmã pedagoga com pos graduação e tudo um dia disse que a vida ensinaria a seu filho do meio, um jovem lindo com um futuro brilhante mais insatisfeito com o rumo da família, é a vida ensinou a bebe e a dirigir sem preparo e morre numa noite de domingo. Até hoje um pesadelo em nossas vidas, então lute e lute não entregue os pontos dixe seu coração fala e esculte sua filha algo com certaza a encomoda. Um forte abraço e desculpe a falação.

    ResponderExcluir
  34. Ai amiga...nem sei o que lhe dizer, porque não tenho esse problema. Meus meninos são até chatos demais com os estudos...mas vou tentar te aconselhar com o que aprendi como filha, mulher, profissional e mãe.
    Sua filha precisa dar valor às coisas. Mesmo que vc diga que ela não pode isso ou aquilo, se ela não liga para as coisas que vc tira dela, nada faz sentido. Ela tem idade para trabalhar minha querida! Faça com que ela arrume um emprego. Tudo bem, na idade dela acho que é até proibido trabalhar, mas tem aqueles estágios remunerados que qq empresa contrata. Quando se pega no batente, no dia-a-dia, com chefe chato pegando no nosso pé, vem a saudade do banco da escola e de pensar em sair daquele emprego, daquela vida, e só estudando pra isso! Não estou dizendo para que ela pare de estudar, muito ao contrário! Mas ela tem que dar valor ao que já tem, entende??
    Espero ter ajudado.

    Bjs

    ResponderExcluir
  35. Oi lu

    Que pena sua filha não aproveitar... esperemos que quando ela "acordar" não seja tarde. Eu infelizmente não tive oportunidade de estudar na Faculdade. Ainda tentei e melhorei a minha média mas não consegui entrar. Faculdade privada estava fora de questão pois o orçamento não dava para isso.
    Meu irmão quando chegou aos 12 anos também não queria estudar, queria ir trabalhar. Meus pais fizeram um acordo, Foi trabalhar de dia e estudar de noite.
    desde essa idade que foi trabalhador estudante. Eu também cheguei a ser para ajudar no orçamento da casa trabalhava 48 horas semanais e ganhava abaixo do salário mínimo....
    Estudei até completar o 12º e ainda fui tirar um curso de especialização (infelizmente não consegui trabalho na área) não gosto do trabalho que tenho, estou sempre à beira de um ataque de nervos, mas é o emprego que consegui e neste momento dou-me por feliz pois meu irmão que tem mais estudos do que eu está desempregado tem 2 anos. Ambos somos casados e temos filhos, mas sinceramente no nosso país (portugal) mesmo quem está formado tem muita dificuldade em arranjar colocação. O desemprego está a aumentar a cada dia que passa e com a crise cada vez pagamos mais e o que ganhamos não chega para as despesas. Faço tudo para que a minha filha não passe por aquilo que eu passo. Mas acho k vai ser difícil... a Esperança é a última a morrer um beijo e força.

    ResponderExcluir
  36. Olá!
    Eu também acompanho a trajetória do blog, há um tempo e sou admiradora do seu trabalho. Raramente faço comentários, apesar de sempre aprender bastante com as postagens daqui.
    Senti vontade de contar um pouquinho da minha experiência: tenho 3 filhos únicos de verdade !- a mais velha, biológicamente gerada; os demais, pela oportunidade amorosa da adoção. Já são "grandes" (31, 22, 21 anos, respectivamente), apesar de não conseguir enxergá-los sempre assim...rsrsrs. Passei pela fase das expectativas (e dos eventuais "marasmos"), cobrando desempenho e esforço constante, como todas as mães. Até que em um deles, no final da infância, foi diagnosticado uma doença mental grave... Meus ideais de um futuro promissor, de formatura e empregos importantes sofreram um grande abalo! Agora, só sonho que ela seja feliz, que seus irmãos possam ampará-la quando eu não puder mais(uma é assistente social e o outro - depois de cursar 5 períodos de arquiteutra - estuda psicologia) e, enfim, que as pessoas possam aceitá-la como é. Ah, e tem um detalhe: trabalho há quase 34 anos, como terapeuta ocupacional;e uma grande parte dessa caminhada profissional, atuando na área de saúde mental. Tem uma música do Zé Rodrix - Coisas Pequenas - que diz: ... "foram apenas treinamento e preparação pra esses momentos de felicidade que estão agora à nossa disposição"...
    Desculpe "entortar" o rumo da prosa,
    Beijos carinhosos em você e na linda filha,
    Claudia

    ResponderExcluir
  37. Nem o psicicólogo-terapeuta conseguiu descobrir pq ela não se interessa? Pode haver um motivo...

    No mais, é estímulo, companias q se interessam, essas coisas. Como pode ser q ela se interesse de uma hora p outra tb.

    Vai orando ... Deus é poderoso pra mudar corações!

    Bjo

    ResponderExcluir
  38. Misericórdia ... digo: psicólogo.

    rsrsrs

    ResponderExcluir
  39. Oi Lu! Nem sempre comento mas me senti à vontade hoje! Eu não sei o que você está sentindo ao certo, porque não tenho filhos, mas pela sua manifestação, me pareceu muito triste, e conheço bem a tristeza profunda rs. No mais, eu tb não tive mts oportunidades qd adolescente, mas sempre tentava driblar meu destino, por fim, exatamente quando eu tinha essa idade, me vi muito desanimada, eu também não saia, nao fazia nada, mas por falta de dinheiro! E faltava horrores na escola, nem queria saber, ouvir falar nisso. Sei lá, me pareceu semelhante. Será que ela não está desanimada? Sem um horizonte? Isso aflinge mts os adolescentes (me antingia mt), as vezes até pelo fato dela nao ta saindo, nao estar tendo mt regalia, deve desanimá-la. Claro que tb nao é para vc liberar 100%, mas ser um pouco mais flexivel. Eu não gosto que fale que os adolescentes são aborrecentes! Como vc vai lidar com uma geração que vc já tem o pré conceito de chama-lo de aborrescente... Eu vejo isso com maus olhos, mas estou palpitando para refletir junto com vc!! Qd vc conversa com ela, como ela reage? Perceba as reações dela! Sei lá, to palpitando aqui pq eu acho que eu gostaria de algo assim lááá na minha adolescencia...
    No mais, na sua visão política, eu concordo em termos. Aqui no interior de SP ainda se vê mts concursos públicos, de trocentos candidatos, e passa justamente aquele suspeito. Aqui qd a vaga é 1 só, já dá para imaginar que é trambique. Acho sim que o Brasil está caminhando a passos de formiga e sem vontade (como diria o Lulu Santos), para essa direção que vc apontou, mas fico em dúvida se esses passos serão suficientes, e quantos anos se levará para chegar em algum loccal?

    Bjs e boa sorte!
    Desculpe o palpitometro.

    ResponderExcluir
  40. Oi Lu, entendo a tua frustração, minha filha tem 14 anos e tb não gosta de estudar, nunca gostou, desde pequena sofremos com ela na escola, depois da peregrinação por todos os ólogos possíveis, psiquiatra, internações, chegamos a um diagnóstico de personalidade borderline ... ano passado ela teve várias crises e se recusou a terminar o ano, tinha notas boas, a escola fez de tudo para ajudar, mas mesmo assim ela desistiu de estudar em outubro, reprovou por faltas. Este ano colocamos num colégio interno longe daqui, foi pior ainda, ficou lá 4o dias, voltou, tentou uma escola, não deu certo e agora está sem estudar, repetindo 2 vezes a 6ª série, isso que repetiu a 3ª (por ter sofrido bulling na escola), eu já chorei tudo o que tinha que chorar, não tenho mais expectativas de que volte a estudar, se forme e seja uma profissional exemplar. Tb me preocupo que não vou estar aqui para sempre e como será o futuro dela, mas como o futuro a Deus pertence, quem sabe amanhã ou depois ela resolva voltar a estudar e ser alguém na vida?
    Acho que vc não deve dar tantos castigos à sua filha, isso pode gerar uma revolta muito grande dela e afastar vcs duas. Conversar e dar carinho é melhor, por experiência própria, enquanto só brigávamos e obrigávamos a fazer o que achávamos ser o melhor, as coisas iam muito mal, depois que mudamos nosso relacionamento, estamos bem próximas e mais amigas. Pelo menos agora ela ouve e segue meus conselhos.
    Beijos e tenha paciência.
    Edir

    ResponderExcluir
  41. oi Lu,
    nossa chorei muito com suas palavras é tudo que estou sentindo com minha filha tento de tudo mas nada funciona é espero que ela acorde a tempo Dani

    ResponderExcluir
  42. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  43. Te orientaria para ler um livro maravilhoso sobre nós (mulheres)- trata diversos assuntos. Dentre eles a pressa, a culpa desta mobilidade que conseguimos. Chama-se Histórias Intimas..não lembro o nome da autora.
    Como psicóloga deve te "alertar" para algo: todo comportamento tem uma função.
    Procure ajuda a um psicólogo comportamental - Analista do Comportamento.
    No mais...estou aqui!
    Abraços
    Socorro Costa

    ResponderExcluir
  44. Olá, Lu!
    Visito seu blog diariamente (mesmo!) mas nunca comento (egoísmo, não?). Hoje, não resisti. Pelo que você escreveu, sua filha não se dedica aos estudos, mas respeita suas decisões. Ela tem suas qualidades, é claro! Dê valor a isso. Mostre-lhe que você a ama mesmo sem concordar com suas atitudes em relação aos estudos. Cada pessoa é única e nem todos "tem" que ir para uma universidade. Ajude-a a descobrir seus interesses e aptidões e investir nisso. Vários caminhos podem levar à felicidade. Desejo, sinceramente, que ela encontre a sua direção e que você esteja ali, juntinho para comemorar! Seu blog fala por você: só uma pessoa com grandeza de alma poderia manter esse lindo e generoso espaço. Apoie sua filha e mostre-lhe que você se orgulha dela pelo que ela tem de bom e que a ampara e a auxilia a melhorar sempre. Beijos carinhosos e comovidos,
    Flávia

    ResponderExcluir
  45. Oi Lu,

    Sempre venho aqui dar uma expiada , mas nunca comentei, hoje me senti muito tocada com seu desabafo, pois estou passando por esta mesma situação com meu filho mais novo, hoje o pai resolveu que irá tira-lo do colégio particular pois esta cansado de gastar dinheiro a toa. Já chorei, já briguei dei conselhos e nada. Nós resolvemos que se ele quiser estudar ele vai ter de trabalhar para pagar seus estudos. Sei que de filho a gente não desiste mais não vejo outra alternativa para esta situação no momento.

    Bjs e fique com Deus.

    ResponderExcluir
  46. Oi lu, olha só, talvez te sirva de consolo, no colegial eu tinha uma amigona que não dava a minima pros estudos enquanto eu era super CDF, mas com o tempo eu tive dificuldades, custei a me formar aos trancos e barrancos segui a vida. Hoje essa minha amiga (que continuou os estudos mal e porcamente)se formou em nutrição e tomou jeito, fez pos e mestrado!! ela tem consultorio e tudo muito chique. E eu, nem queira saber...sou formada mas não trabalho e sou dona de casa..."a unica verdade sobre a sorte é que ela muda..." bjo, tenha calma e esteja ao lado da Tóia.

    ResponderExcluir
  47. parabens para todas essas mães que conseguem privar seus filhos de seu lazer por não fazerem o que precisam. Dói no fundo da alma, e por isso é preciso ser muito forte para fazê-lo.
    Eles precisam saber que cada ação tem uma consequência com a qual eles vão ter que arcar.
    beijos

    ResponderExcluir
  48. Oi Lú,mãe tem dessas coisas,eu sei o que vc está passando,tenho 39 anos,comecei a trabalhar com 16 anos no antigo Bamerindus,no tempo em que se vc tivesse alguém conhecido,vc teria uma vaga de emprego...pois é alguém empregou a minha irmã depois eu,trabalhei por nove anos até que o HSBc comprou o bamerindus e foi uma limpa geral,e eu como não ouvi a minha mãe(não tenho ensino superior)fui demitida,já a minha irmã,fez 2 faculdade,teve sua vaga garantida,e hoje ela com 45 anos ,falta apenas 3 para se aposentar,e curtir a sua melhor idade,rs...
    Quanto aos filhos,também tive meu momento de tristeza,qdo minha filha estava no ensino médio,relaxou completamente,aí então não pagamos cursinho,cortamos muitas coisas.E o resultado de não ouvir os pais...não passou na Federal.
    Hoje ela vai completar 19 anos,está no 4° periodo de Biologia na PUC (estamos conseguindo pagar)É aprendiz no HSBC,mas ODEIA,DETESTA o que faz,não vê a hora de acabar o contrato,já quiseram efetiva-la,é inteligente,responsável,inglês fluente,mas não,não quer...
    Conversamos muito com ela sobre o futuro,(mas elas só vão lembrar do que falamos daqui alguns anos).
    Minha outra filha tem 14 anos é Autista,depende totalmente de alguém,e qdo eu e o meu marido não estivermos mais aqui...ela dependerá só da irmã.E a irmã cuidará bem dela?Terá um marido que compreenda a situação?
    Não sei...tenho medo...Mas peço a Deus que a Nathaly tenha feito a escolha certa e que tenha um excelente futuro,para poder garantir o futuro da Nicolly também.
    Não fique triste Lú,com certeza existem mães com muitos mais motivos pra ficarem tristes.Entregue sua Tóia a Deus,acredite que seja apenas uma fase,que logo logo ela se achará.Beijos,Val.

    ResponderExcluir
  49. @@@Fico imaginando o quanto é difícil para nossos filhos entenderem que queremos somente o seu bem, não só agora, mas sempre, por isso lutamos e insistimos tanto, é realmente uma luta ardua e diária, sermos mães responsáveis num mundo onde vemos bebês jogados em lixeiras, entre outras atrocidades, mas não podemos desistir!

    ResponderExcluir
  50. Oi Lu!

    Sei perfeitamente o que vc está sentindo! Meu filho mais velho, hoje com 12 anos, nunca foi amigo dos livros. Ele é hiperativo (diagnosticado de verdade) e ler mais de uma página é um esforço enorme para ele. As notas oscilam conforme as fases da lua! rsrsrsrs
    Depois de muita relutância, depois de psicólogos, castigos, palmadas e muito desgaste, nós decidimos partir para um tratamento com medicamentos. Ele melhorou muuuito, mas a preguiça permanece. Todos os dias precisamos lembrá-lo dessas coisas q vc mencionou no post: que no nosso país poucos tem oportunidades de estudar; que sem estudo, ele não chegará a lugar nenhum; que o que ele deixa de aprender hoje fará falta amanhã; que os pais não vivem para sempre, etc...

    Paciência, amor e persistência. É o que nos resta ter com essas "cabecinhas duras"!

    Bjs

    Lu

    ResponderExcluir
  51. Nossa são tantos depoimentos lindos... tantas histórias maravilhosas... estou lendo, lendo, lendo e nem sei ao certo o que falar! Estou emocionada, de verdade...

    ResponderExcluir
  52. tenho uma sobrinha q está numa situação parecida. ela é muito boa em inglês sem estudar muito, tem facilidade mesmo. mas na escola... a família fica triste, mas após refletir, chego à conclusão que eles são donos do próprio destino. o que cabia a vc já foi feito. até se responsabilizar pelos erros e pela falta de empenho vai ser uma aprendizado pra ela. e tem um momento em que os jovens encontram uma saída. outra coisa: hj em dia as entradas do conhecimento vem por outras fontes, vide internet. tenha certeza!!! uma tia vê com olhos mais tranquilos. tudo se ajeita! paz no seu coração.

    ResponderExcluir
  53. Obrigada, por ouvir seu desabafo, vejo que nós mães passamos por problemas iguais.. Pois a gente se questiona onde erramos. Tenho 2 meninos um de 18 e um de 13, o de 18 sempre se mostrou mais estudioso, sempre incentivei a leitura para os dois, pois na minha casa o que não falta são livros, revistas e etc..Mas o de 13 nao gosta de ler, estudar nada ligado a escola.. Agora o de 18 passou no vestibular na universidade federal do RGS para mim foi um orgulho, pois passamos por momentos ruins pois eu e o pai deles nos separamos, mas graças a DEUS ele não se abateu e continuou, mas noto que desde cedo o de 13 não se liga e olhe dou castigo faço o mesmo que vc, já perguntei se ele quer conversar com alguem especializado por não querer me falar algo, e ele disse 'não mãe nada a ver'.. Mas acredito que ao amadurecer ele mude de atitude.. bjs e força vc não está sózinha nessa estrada, estamos todas unidas pela fé que eles vão pensar diferente... abraçoss

    ResponderExcluir
  54. te envio um artigo muito interessante. veja se gosta. http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI247981-15230,00.html

    ResponderExcluir
  55. Lu,não fique triste,cada filho é de um jeito.Pensa que ela terá jogo de cintura,voce disse que hoje o mundo não é para o inteligente e com talento,não concordo, meu irmão venceu sem estudos e fazendo negócios,nunca quis estudar,é inteligente e capaz como vai ser a Tóia.Tenho dois filhos super diferentes, o mais velho sempre odiou escola,via o irmão ler livro em ingles e achava que era portugues de cabeça para baixo...Me deu muito trabalho, passava de ano na marra.Mas ai vai o que vai te animar com a Tóia, ela terá outros dons.Quando meu filho fez 18 anos ,este custoso que não gostava de escola ganhou um carro do pai pelo vestibular.Ele esperou por 6 meses me chamou e perguntou se será que o pai não acharia ruim se ele vendesse o carro para comprar gado macho!Confesso que assustei porque os amigos estavam pondo som e roda larga e meu filho nem carro queria...Este é o garoto que não gosta de estudar,começou agronomia,não deu conta dificil,fez o fundamental e ensino médio de qualquer jeito como mencionei e agronomia não é facil.Foi fazer adim/ de emp/porque sem uma faculdade não queria que ficasse.Hoje ele esta para formar,no começo do ano me disse-mamãe vou comprar meu carro ,o meu dinheiro da para comprar 3,viu LU é este o talento que quero te mostrar,tem 3 meses abriu uma firma com um colega de faculdade,me disse que nem no primeiro mes trabalhou no vermelho.Não fique triste ela será feliz da maneira que ela quizer,tenho certeza que ela vai trilhar um caminho brilhante, ela teve lar,familia ,exemplo e esta será a sua resposta, pode aquardar..quero ver um sorriso neste rostinho,bjo grande.

    ResponderExcluir
  56. Querida, parece que não estamos sós nessa empreitada!
    Tenho o mesmo "problema" aqui em casa, meu filho de 16 anos, está no 3o colegial, aos trancos e barrancos.
    E já fiz de tudo também, não tem jeito.
    Aqui não adiantou fazer ameaças, castigos e tirar as coisas que mais gosta.
    Vivemos uma angustia diaria com isso.

    beijosss

    ResponderExcluir
  57. Puxa, tenho dois filhos e sei exatamente o que vc está sentindo, pois passo por quase a mesma coisa. O mais velho passou com 17 anos para 3 universidades públicas e no segundo semestre decidiu que nao é o que quer. Mas ainda nao sabe o que o fará feliz. Enquanto pensa... o tempo passa. O mais novo nao quer saber de nada. Muito parecido com o que vc falou de sua filha. Mas eu tenho certeza de que to fazendo a minha parte. A outra parte cabe a Deus.... Beijos

    ResponderExcluir
  58. O que é isso... não se culpe, alias, vc não tem culpa nenhuma. Pode ter ctz, o amanhã chega para todos, e ela com ctz vai se arrepender, e querer voltar atrás.
    Eu não sei mesmo pq esses adolescentes apertaram a tecla FODA-SE para tudo. Realmente deixam de lutar como sempre fizemos. Não se importam com o governo, com os amigos, com os pais e irmãos. Acho mesmo que a culpa é da nossa internet, das redes sociais, msn e outros.
    Sabe pq, antes tinhamos que nos esforçar mais, trabalhos, bibliotecas, anotar anotar e anotar e depois passar a limpo. Hj tá td na cara deles, basta ligar o botão.
    Não acho que somos culpados não. Mas acho que no fundo estamos certos do que falamos, e eles amanhã virão com um ¨minha mãe teve razão¨, e ai infelizmente será um pouco tarde né....
    (já tentou proibir a internet? Será que ajudaria?
    Bjs e Boa Sorte linda...

    ResponderExcluir
  59. Endosso tudo que minhas colegas escreveram. Vc a ama e quer o melhor pra ela, é natural que se entristeça com seu desinteresse para estudar ainda mais tendo o seu histórico de luta. Mas não esqueça que ela é uma adolescente e a grande maioria desta "classe" tem "problemas". Ela tem princípios, tenho certeza que vai encontrar seu caminho e não será tarde... Quanto a perder as viagens e outras aventuras da idade dela, isto não é sua culpa é? Eu sempre fui a melhor da classe mas meus pais não tinham condições de me mandar sequer para outro estado imagine, para outro país, e nunca fui menos feliz por causa disto. Me identifiquei com vc pois estou na luta em busca de uma vaga na magistratura e tenho um filho de 1 ano e sete meses. Você é uma heroína! Como é que fez pra passar?

    ResponderExcluir
  60. Oiii Lu!
    Olha só, meu irmão nunca gostou de ir a escola e de estudar em si. Não gostava de ler livros mas se interessava por revistas. Então meu pai assinava revista em quadrinhos qdo eramos crianças, depois assinou Super Interessante pra ele... e sempre procurava por assuntos que ele gostava. Ja eu sou como vc, sempre fui CDF e adorava ir pro colegio, estudar, tirar boas notas... e fomos criados do mesmo jeito! Minha mãe quase enlouqueceu com ele no segundo grau... ele é super inteligente mas não estudava, pra vc ter uma idéia, pegou recuperação em religião, ve se tem cabimento rsrs não era por burrice era por preguiça e desinteresse. Passava sempre raspando... e va professor particular e akela correria pra passar de ano rsrs coisas que nunca foram necessárias comigo... bom depois do segundo grau, ele sentou a bunda no sofá e resolveu que não sabia o que fazer. Ficou 6 meses com a bunda la pensando rsrsrs aí decidiu fazer Agronomia na Federal... minha mãe disse que pagava 6 meses de cursinho que se ele passasse seguia adiante, se não ia voltar pra cidade onde morava e fazer algum curso por ali mesmo! Então o bichinho começou a estudar!!!!!!! Entramos no apto onde ele morava la, era cartaz em tudo que é parede com matéria... livros e mais livros, estudou como nunca! E continua até hoje! Segue na faculdade, ja faz estágio com professor, ta se virando! Ou seja, quando foi do interesse dele ele se mexeu!
    No segundo grau eu queria fazer o técnico em Informática, não queria cursar o Ensino Médio "normal". E assim eu fiz! Se tivesse seguido o segundo grau normal não sei se meu desempenho teria sido tão bom! Procure atividades do interesse dela! Tente descobrir o que ela gosta que dai fazer as coisas que a gente não gosta fica mais fácil! Tipo também sempre gostei de maquiagens e cabelos... minha mãe pagou pra mim curso de maquiagem e fikei 1 mes das férias num salão aprendendo... tipo eu amei e isso serve pra vida da gente. Serviu pra mim descobrir que não queria abrir um salão - como eu pensava que queria - e hj sei me arrumar sozinha =)
    Concordo com muita coisa que vc escreveu, mas apóie a sua filha e a incentive. Ela não pode se sentir só diminuida por você.
    Ah outra coisa que lembrei!! rs O filho de um casal de amigos tb pulava de colegio em colegio e ja reprovou umas 2x... ele gosta mto de bateria e entrou numa banda cristã... os colegas da banda são mais velhos e incentivam ele, e acabou que ele esta indo super bem no colegio e esta bem mais responsavel!! Minha dica é: invista em descobrir algo que faça os olhos da sua filha brilharem!
    beijooos! E lembre-se que não podemos abrir a cabeça dos filhos e enfiar la dentro nossos conceitos rsrs eles precisam descobrir sozinhos os eu caminho ;-)
    Sabedoria e paciencia hehehe

    ResponderExcluir
  61. A cada ano que passa dou mais razão à minha mãe, e sua filosofia que filho criado, trabalho dobrado. Meu mais velho tem 14 anos e haja paciência com ele. Não se preocupa em estudar, em aprender, diz que eu me preocupo à toa, pois ele passará por conselho de classe. Mas até os 12 anos ele era o melhor da turma, o problema é que ser CDF parece indigno, e isso me deixa louca. Sempre amei estudar e tinha orgulho de estar entre os melhores da turma, por isso não entendo esta visão atual de que legal mesmo é ter notas baixas. Acho que muito mesmo é culpa da sociedade atual que dá todos os direitos do mundo aos adolescentes, mas esqueceu de avisar a eles que existem deveres também. Sei lá, acho que sou atrasada, mas antigamente, com um sistema mais rigido, onde pais puniam e professores eram vistos com medo e muito mais respeito o mundo era melhor. Hoje os adolescentes se acham donos da razão, e não raro há casos de violência contra professores. Sinceramente criar adolescentes não é facil. Castigar, proibir de sair, jogar, internet, nada parece comovê-los, nem mesmo a classica chantagem materna (já fiz muita). Acho que tudo hoje está muito facil e por isso eles nem ligam. Mas também acredito que quando somos jovens acreditamos em um mundo cor de rosa, onde somos imbatíveis, com o passar dos anoa percebemos que somos como nossos pais. Tenha fé, ela vai bater a cabeça algumas vezes, tropeçar, mas como a idade, o amadurecimento e a eterna cobrança dos pais logo ela "acorda". Beijos e boa sorte...

    ResponderExcluir
  62. Oi Lu, ainda ontem pensei sobre este assunto, qual a relevancia que os filhos da nova geração dão aos estudos. Eu engravidei pela 1ª vez aos 20 anos e sem terminar os estudos, pois em minha familia a prioridade era o trabalho, não houve estimulo que me mostrasse que era muito importante estudar. Mas ao engravidar sem planejar... planejei parte do futuro da minha filha hoje com 18 anos "estudará em colégio particular e terá melhores chances do que eu", e assim fiz e ainda faço com a outra de 15 anos. Me esforcei e me esforço para pagar as mensalidades, não voltei a estudar, pois além de trabalhar e queria um tempo com elas durante a noite, para não ficar tão distante delas. Hoje percebo que não dão muito valor ao esforço que fiz e faço, ao dinheiro que pago as mensalidades do colégio, perua, convenio. Sempre trabalhei muito, quando nova fazia eventos e promoções, depois parti para escritórios... e mesmo com pouca formação sempre trabalhei em boas empresas e atualmente trabalho em uma empresa familiar e quero buscar outro trabalho e a pouca escolaridade é uma barreira.
    Converso muito com as meninas, mas elas querem mais é ficar na internet, grudadas no notebook e celular, fechadas no mundinho particular delas e sem enxegar a realidade e ainda reclamam se entro no face prá ver com quem estão conversando. É cansativo porém necessário tentar mostrar a importância da boa formação escolar, pois precisarão muito disto para uma colocação no mercado de trabalho.
    O lado bom que não são de ficar na rua, sair em baladas. Amigos são mais virtual do que presencial.
    A mais velha de 18 anos, terminou o médio e fala inglês muito bem e procura emprego para ajudar no pagamento da faculdade que teve que trancar.
    A de 15 anos joga handebol no colégio há 6 anos e irei colocá-la num curso profissionalizante.
    Agora sou eu que irei em busca de estudo, mas sei que tem muito chão pela frente em relação as minhas filhas. A luta ainda continua.

    ResponderExcluir
  63. Oi Lu, passo por um problema semelhante ao seu, meu filho tem 16 anos, já reprovou a 7a., a 8a. agora fez uma prova de reavaliação e foi empurrado para o primeiro ano, sempre estudou em colégio particular, mas depois da primeira reprovação coloquei ele na escola pública, reprovou de novo, não abre nem a mochila quando chega em casa, não faz trabalhos, não estuda para provas, nem sei quando elas acontecem, já chorei muito por isso, eu não entendo como ele não enxerga que sem estudo ele não vai ser nada na vida, diz ele que vai ser veterinário, acredite se quiser, não que eu desacredite nele, mas acho meio impossível, mas não posso mostrar a minha decepção por ele. O único jeito é orientar pois a gente não pode forçá-los a nada, mas compartilho a mesma dor com vc!!! Vamos ter forças e acreditar que uma hora eles vão acordar para a vida! bjs e fica com Deus!

    ResponderExcluir
  64. Olá Lú!!!
    Realmente é muito dificil pra um pai ver o seu filho sem animo pra vida,sem perspectiva de um objetivo.Pois sempre pensamos o melhor pra eles,mais essa opção de melhor tem que ser deles.Sempre falo pros meus filhos aproveitarem o melhor de cada situação,pois não sei até qdo viverei com eles pra ampara-los e orienta-los.Cada um tem uma índole.Tenho um filho de 16 e uma de 11 anos,são completamente diferentes.Desde pequenos ensino a serem organizados,a fazer as tarefas de casa,tudo.Mais o mais velho sempre fez e é muito organizado,mais a menina,só o Senhor é Deus,é uma desorganizada por nascença.rsr.Tenho que ficar o dia todo chamando atenção dela.Mais tbm vi que só cobrar é muito ruim.Passei a elogiar tbm,delegar obrigações e depois com jeito fazer as cobranças.Espero que esta fase passe por já esta ficando grande.Mostro que a vida não é só as coisas boas que dão prazer,mais tem tbm as coisas ruins que não gostamos.
    Desejo de coração que sua filhota tbm deixe esta fase e veja que a vida é para aqueles que realmente querem crescer(sem prejudicar ninguem),pra aqueles que se esforçam e com sua capacidade possam alcançar algo que realmente desejam realizar .
    Lindas as suas palavras pois é a realidade do Brasil.
    Um bom final de semana

    ResponderExcluir
  65. Noosssaaaaaaaa... ler o post e os comentários é uma verdadeira lição de vida. Cada um com seus problemas, suas idéias, sua criação... Difícil opinar, pq conheço a situação. Mas não desanime e procure vc uma orientação profissional. Por vezes estamos indo por caminhos que aumentam o problema ainda mais, e a solução , ou a outra visão, está debaixo do nosso nariz e não percebemos. Sei que , muitas vezes, o sentimento, além de tristeza, pode ser de uma raiva profunda por ela não entender que a vida exige isso. Mas comece a não cobrar, dê mais amor, dê mais ênfase a outras atitudes...quem sabe surte efeito??? Bjs e uma ótima semana!

    ResponderExcluir
  66. Oi Lu....

    Imagino como vc se sente...já passei por isso com meu filho ...além de tudo ele é um autista de alta funcionalidade....para umas coisa é um genio para outras..não tem capacidade....ele ia na escola...só que não era feliz..pois as escolas não tem preparo para lidar com esse tipo de dificuldade....Meu filho voltou a viver e ser feliz...quando parou a escola...comprou um violão...e hoje é um excelente solista....
    Sei que vc pode dizer que a minha historia é diferente da sua....que sua filha é normal....mas gostaria que vc atentasse...a algumas coisas..que é normal em todas as mães....
    Queremos que nossos filhos sejam sempre os melhores....construimos nossos sonhos e colocamos eles dentro deles....e as vezes esquecemos de perguntar qual é o sonho deles....
    Se nossos filhos deixam de estudar....pode representar nosso fracasso frente a uma sociedade que esta ai sempre cobrando mais e mais de nós....O que vamos dizer pros amigos....
    Muitas vezes nos esquecemos.....de nós e vivemos para o que os outros esperam....e com isso não somos e não seremos felizes por completo...e um dia a vida vai cobrar isso de voce....POR QUE EU NÃO FUI FELIZ... PORQUE NÃO FIZ O QUE GOSTAVA....ETC....
    Procure descobrir...o que realmente a sua filha...pensa e gosta...se preciso busque a ajuda de um profissional....para isso....De repente a solução ta tão perto e não conseguimos ver sozinhos....
    Aquiete seu coração....para que possa aquietar o dela tambem...Não se esqueça que ela é jovem....tem muito tempo ainda para acertar o seu caminho....PENSE MUITO ....NO QUE ADIANTA ESTUDAR ALGO QUE A FARÁ INFELIZ....
    A DEUSA E A OFICINA MARIA FRAMBOESA....TEM UMA LINHA DE PENSAMENTO QUE EU ACREDITO SEJA BEM LEGAL.....TEM HAVER COM O QUE ACREDITO....
    LU desculpe se me estendi....MAS NADA PAGA A FELICIDADE DE NOSSOS FILHOS....
    equando quiser falar....encontre aqui um ombro amigo.....

    Que os anjos iluminem seus caminhos....

    Beijos....

    ResponderExcluir
  67. Eu imagino o qto isto deve ser duro. Mas vai uma dica: meu filho mudou seu comportamento escolar depois de ter lido um livro q ganhou de seu tio, chamado "Apredendo Inteligência". Muito bom! boa sorte

    ResponderExcluir
  68. Lendo tudo que vc escreve sobre a Toia só fico refletindo mais e mais sobre a minha
    Steph... Ela está com 9 anos e ainda não está alfabetizada. Se diverte e acha graça quando não consegue realizar nem as atividades diferenciadas que mandam da Escola. O desespero não pára aí... Ela odeia ir pras sessões com a pedagoga... bate e xinga a mulher... Ela realmente não tem a menor ideia do que é o mundo sem ler... e o que angustia ainda mais é que não há como imaginar que essa postura não se repetirá pela vida afora... Já foram castigos, ameaças, conversas, incentivo positivo... Nada...
    Agora, tenho tentado colocar as questões referentes a isso nos devidos termos, buscando separar o que realmente é prioridade pra mim e o que é importante pra ela... Hoje tivemos mais um episódio homérico, porque ela se recusava a ir pra sessão de pedagogia... e aí decidi dar um tempo... acho que vou deixa-la ir pro ballet ou pra natação, que é o que ela quer... quero ver minha filha feliz... e eu quero realmente ter paz... Sei que isso parece muuuuuito algo do tipo: mãe com preguiça de educar o filho... mas pra todos aqueles que me conhecem sabem que esse, certamente, não é o meu perfil... Só que acho que chegou a hora de admitir que, da Steph, eu não dou conta... E mais: que a vida é dela, no final das contas....Agora, acredite, em dias assim, só tenho vontade de chorar... e de tentar entender como pode um espiritozinho de apenas 9 anos ser tão difícil... mas, amiga, força e fé...

    ResponderExcluir
  69. Adri, não é nada facil o que vc passa com a minha afilhada, eu te entendo, e acho que tbem daria um tempo nesse fim de ano. Ela tbem deve estar cansada, sei bem o trabalho que vcs fazem com ela e é puxado. As vezes pode render mais depois de um intervalo. bjs

    ResponderExcluir
  70. Valeu comadre... às vezes é bom falar, né... nem que seja pra chorar junto mesmo!!! Agradeço a Deus todo dia por ter vcs como nossos compadres... é um alento!!!!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

ShareThis