Google+ minha casa, meu mundo

16 de julho de 2014

Como Pendurar Quadros?


Eu faço parte de um grupo de decoração no Facebook, o FaceDecoração, e vejo que uma das grandes dificuldades de todos é saber pendurar quadros nas paredes.
Eu particularmente não gosto de paredes nuas. Falta graça, falta charme, falta tudo em uma parede sem quadros.
Ah, mas eu não tenho quadros bonitos para pendurar... E daí? Solte a imaginação, valem gravuras, recortes de revistas, fotografias, objetos. Basta ter bom gosto para misturar e seguir algumas regrinhas.Tudo que sua imaginação mandar vale. Desde que haja HARMONIA. 
E como saber se há a tal da harmonia? Treinando o olhar (procure fotos, o Pinterest é uma excelente ferramenta) e seguindo algumas regrinhas.
 Vamos lá?

1. Proporção:

A primeira regra é proporção. Um quadro pequeno, solitário, em uma grande parede, fica desproporcional e, consequentemente, feio, desagradável. O mesmo vale para um quadro grande demais para o ambiente. 
O tamanho do quadro (ou da composição de quadros) deve ser proporcional ao ambiente e aos móveis.
Por exemplo, um quadro grande sobre um sofá não pode ultrapassar a largura deste e deve ser centralizado com o móvel.

 Aqui apenas um quadro grande, de tamanho proporcional ao do sofá.


Aqui uma linda composição, com diferentes elementos de decoração, mas ainda proporcional ao tamanho do sofá.

As mesmas regras de proporção e alinhamento valem para cabeceiras de cama, buffets ou mesas de jantar. A regra geral é alinhar o quadro (ou composição) com o móvel de maior destaque naquele ambiente.

Aqui um exemplo de erro. Tudo na sala é lindo e harmonioso, mas os quadros estão altos demais e são muito pequenos para o ambiente:



2. Eixo Mediano e Altura:

Como regra geral o quadro (ou composição) deve ficar centralizada a 1,60 m do chão. Porque esta seria a linha dos olhos de uma pessoa de estatura média (ao menos no Brasil).
Então você deve traçar uma linha imaginária que divida seu quadro ao meio. O centro dele deve estar a 1,60m do chão. Como nesta ilustração.


Quando estamos tratando de uma composição, a linha de 1,60m deve guiar a disposição de todos os quadros, como nesta ilustração:


Existe uma regrinha que diz que os quadros devem ficar 25 cm acima do encosto do sofá. Eu, particularmente não acho necessário, mas é uma questão de gosto. Veja nesta composição, há quadros, inclusive, atrás do sofá:


O real problema está em quadros ALTOS demais. Que realmente ficam feios. Portanto, acho que a regra é os quadros devem ficar com a distância máxima de 25 cm.


3. Organizar:

A regra básica é organizar as obras conforme sua importância. Se você tem uma obra de arte valiosa, normalmente ela deverá ser o centro das atenções. Mas regras existem para serem quebradas não é mesmo? Já fui em uma casa onde o quadro mais valioso (e realmente valioso) estava no lavabo... 

Quando temos um quadro grande a colocação é mais simples e basta seguir as regras gerais anteriores.
Mas quando temos vários quadros pequenos (ou outros objetos) vira um quebra cabeça, mas que tem algumas regras.
Existem vários esquemas como estes na internet, basta encontrar o que mais lhe agrada e se adapta às suas necessidades. Deixo aqui alguns exemplos:





Mas como saber qual a melhor composição?
Eu distribuo os quadros no chão e vou fazendo modificações até que a composição me agrade.
Mas existe outro método bem mais prático. Faça um molde de cada quadro com papel e coloque na parede até achar a composição que mais lhe agrade. Assim:


5. Molduras:
Outra dúvida muito comum é quanto à moldura a escolher.
Mais uma vez, tudo é questão de gosto... mas se você estiver com dúvidas, leve a obra a um bom moldureiro e peça a opinião dele, além de experimentar várias opções.

Eu gosto de misturar molduras, clássicas, rebuscadas, minimalistas. Acho que dá mais charme ainda.

Por fim, eu separei algumas imagens de composições que acho especialmente inspiradoras.
A regra é simples: solte a imaginação e não tenha medo de errar! 





















Espero que tenham gostado e que seja útil!
Beijos 
Lu


7 de julho de 2014

Pizzas



Vou confessar uma anormalidade: eu nunca gostei de pizza!
Mas quando visitei a Itália descobri que pizza de verdade (ou original) não é aquele amontoado de queijo gorduroso e recheios duvidosos!
Não, a pizza original nada mais é do que uma massa fina e crocante, repleta de um molho delicioso, pouco queijo (sempre muzzarela de búfala), recheios da melhor qualidade e manjericão ou orégano frescos por cima.
Simplesmente DELICIOSO e eu me apaixonei pelas pizzas italianas.
E o melhor, é muito fácil fazê-las em casa!!!

Eu uso esta receita:
Cada receita rende uma pizza grande.

Ingredientes:
* 350g de farinha de trigo ( 2 xícaras e 3/4)
* 1 colher chá de sal
* 15g (1 colher sopa cheia) de fermento biológico seco, ou um tablete de fermento fresco.
* 185g (3/4 de xícara) de água
* 1 colher de sopa de azeite de Oliva

Modo de Fazer:

Eu misturei o fermento seco com uma colher de café de açúcar e dois dedos de água morna em uma xícara e deixei crescer por 10 minutos. Desconsiderem a xícara lascada.


Quando o fermento estiver crescido, misture o fermento com a farinha e depois acrescente os demais ingredientes. Misture e depois sove até a massa ficar macia e lisa, aproximadamente uns 10 minutos.


Eu faço a massa toda na batedeira, porque a minha tem aquele batedor que sova (o gancho), mas é possível fazer à mão. E quando ela estiver macia e lisa, basta deixar crescer. Eu fiz estas massas às 9 da manhã e as usei à uma da tarde, cresceram que foi uma beleza!


Com a massa já crescida, basta abri-la com um rolo e coloca-la na forma de pizza, esticando com os dedos. Para a minha forma sobra um pouco de massa, que eu cortei.

Depois de esticada a massa é hora do molho, o grande segredo do sabor.


Para fazer o molho eu uso tomates italianos em lata, bato no liquidificador, tempero muito bem e levo ao fogo para engrossar.

                                 


Depois espalho generosamente sobre a pizza.

Mas o maior segredo está no queijo! Não dá para usar este queijo de plástico vendido em supermercados! Quer uma legítima pizza italiana? Use muzzarela de búfala. E não muito! Elas são vendidas em bolinhas, eu as corto ao meio e salpico sobre a pizza. Depois coloco o recheio que quiser. Eu gosto mesmo de tomatinhos cereja cortados ao meio, com na pizza da primeira foto deste post. Fica delicioso!

            

E não esqueça que tanto o orégano, quanto o manjericão devem ser frescos! Nada de pacotinhos desidratados.

Aqui em casa eu tenho um forno à lenha, o que dá um sabor extra à pizza, mas é possível o mesmo resultado em um forno à gás. Basta aquece-lo muito antes de começar a assar.
Apesar de usar o forno à lenha eu não gosto de colocar a massa diretamente sobre a pedra. Uso sempre uma forma, embaixo. A minha é toda furadinha, para passar ainda mais calor.


Experimente, você vai gostar!

Beijos,
Lu

26 de abril de 2014

Apliquée

Eu estou voltando às costuras, já até comprei novos tecidinhos depois de mais de um ano sem nenhum quadradinho novo... e preciso renovar meus panos de prato, panos de copa, estas coisas.
Como amo Apliquée tenho separado alguns riscos para usar.















Beijos!!!


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

ShareThis